Vereadores de SP vão destinar R$ 6 mi para eventos esportivos em 2018

26/04/2018 07:31

Matéria veiculada originalmente pela Rádio CBN

Levantamento da CBN aponta que os políticos criaram 45 emendas parlamentares para este ano apenas para a realização de eventos esportivos. Os projetos somam mais de R$ 6 milhões. Alguns eventos feitos em 2017 e questionados pelos auditores da Controladoria serão repetidos.

 

Por Pedro Durán* (pedro.duran@cbn.com.br)

Neste ano, os vereadores paulistanos vão gastar R$ 163,6 milhões em emendas, R$ 3 milhões pra cada. Eles repartem o dinheiro em projetos pequenos ou descarregam numa grande obra, por exemplo. A maior parte das emendas se divide entre projetos de urbanismo e da administração de modo geral. No urbanismo, que deve receber R$ 54,5 milhões, estão reformas de quadras e revitalizações de praças, por exemplo. Já a administração municipal vai receber R$ 43,6 milhões.

Algumas entidades que já tinham sido beneficiadas no ano passado renovaram a parceria. É o caso do evento "Thunder Fight", que recebeu R$ 396 mil em 2017, e neste ano vai levar quase o dobro, R$ 723 mil. O evento é da Associação Paulista de Desportos. Duas competições de skate também vão ser repetidas.

A primeira, o Campeonato de Skate Vertical, foi realizada no último final de semana de outubro pela Federação Paulista de Skate. A segunda, o Campeonato Sampa Skate, pegou uma semana do meio de dezembro e foi organizada por uma entidade de outra modalidade, a Associação de Surf da Grande São Paulo.

Não é só a data que distancia os dois campeonatos. O primeiro custou R$ 90 mil. O segundo R$ 366 mil. 

O valor de montagem das pistas também foi diferente. O mais barato pagou R$ 60 mil num half vertical, que costuma ser o tipo mais caro no mercado. O outro, gastou R$ 198 mil apenas na locação da pista e mais R$ 24 mil na arquibancada.

O evento da Federação teve mais de 3 mil pessoas de público no fim de semana, segundo os organizadores.

Já nas contas da Associação de Surf da Grande São Paulo, o campeonato promovido por eles teve 164 participantes e visitantes ao longo dos 7 dias. Na prática, o evento gastou o equivalente a R$ 2.231 por pessoa. Mas não foi só isso que chamou atenção no relatório dos auditores. Sem comida, nem água potável, as crianças e adolescentes que participaram do evento beberam água da torneira, como é possível ver nas fotos.

O presidente da Associação, Eduardo Nascimento, diz que prestou contas de tudo.

"Todas as notas fiscais tem três orçamentos e preços de mercado. Você acha que uma arquibancada para a quantidade de pessoas que tinha não vale R$ 2 mil reais por dia? Não sei dizer se as crianças não beberam água da torneira? Você consegue responder se algum funcionário da CBN bebeu água da torneira hoje ou ontem? Você consegue responder se alguém foi no banheiro e bebeu água da torneira? Você consegue? Eu não consigo responder. E a prestação de contas tá toda disponível com todas as notas fiscais, com as notas fiscais originais. Com tudo tecnicamente que a Secretaria pediu", disse ele.

Quando questionado mais especifiamente sobre os valores de cada item, o presidente da entidade pediu para encerrar a entrevista.

A vereadora Soninha Francine, do PPS, foi quem patrocinou o evento. Ela reduziu de R$ 366 mil para R$ 272 mil a verba para este ano, mas decidiu manter o evento.

"Eu reduzi inclusive o valor destinado em comparação com o ano passado, até porque eu concluí: 'olha, dá pra fazer por menos'. Quanto ao número de participantes e o custo por participante, isso pode não ter nada de irregular. Porque muitas vezes você organiza um evento e eu já participei isso muitas vezes, dentro e fora do governo, que você prevê que vai ter mil pessoas, duas mil pessoas, e vai um número muito menor do que esse", disse ela.

O vereador que destinaria a maior emenda para eventos esportivos é Celso Jatene, do PR, ex-secretário de esportes da gestão Fernando Haddad. Um dos eventos apadrinhados por ele teve um bloqueio de R$ 22 mil por indícios de superfaturamento.

Ao saber do Escândalo das Emendas Infladas investigado pela Controladoria, ele solicitou à Casa Civíl o cancelamento da emenda de R$ 818 mil e prometeu direcionar para outras áreas.

Ele disse, em nota, que ele aprimorou a fiscalização de eventos esportivos quando comandou a pasta e que escolheu as artes marciais para destinar dinheiro porque acredita nas entidades e na formação proposta por ela.

*colaborou Clara Marques

 

Por Pedro Durán* (pedro.duran@cbn.com.br)
 
Neste ano, os vereadores paulistanos vão gastar R$ 163,6 milhões em emendas, R$ 3 milhões pra cada. Eles repartem o dinheiro em projetos pequenos ou descarregam numa grande obra, por exemplo. A maior parte das emendas se divide entre projetos de urbanismo e da administração de modo geral. No urbanismo, que deve receber R$ 54,5 milhões, estão reformas de quadras e revitalizações de praças, por exemplo. Já a administração municipal vai receber R$ 43,6 milhões.
 
Algumas entidades que já tinham sido beneficiadas no ano passado renovaram a parceria. É o caso do evento "Thunder Fight", que recebeu R$ 396 mil em 2017, e neste ano vai levar quase o dobro, R$ 723 mil. O evento é da Associação Paulista de Desportos. Duas competições de skate também vão ser repetidas.
 
A primeira, o Campeonato de Skate Vertical, foi realizada no último final de semana de outubro pela Federação Paulista de Skate. A segunda, o Campeonato Sampa Skate, pegou uma semana do meio de dezembro e foi organizada por uma entidade de outra modalidade, a Associação de Surf da Grande São Paulo.
 
Não é só a data que distancia os dois campeonatos. O primeiro custou R$ 90 mil. O segundo R$ 366 mil. 
 
O valor de montagem das pistas também foi diferente. O mais barato pagou R$ 60 mil num half vertical, que costuma ser o tipo mais caro no mercado. O outro, gastou R$ 198 mil apenas na locação da pista e mais R$ 24 mil na arquibancada.
 
O evento da Federação teve mais de 3 mil pessoas de público no fim de semana, segundo os organizadores.
 
Já nas contas da Associação de Surf da Grande São Paulo, o campeonato promovido por eles teve 164 participantes e visitantes ao longo dos 7 dias. Na prática, o evento gastou o equivalente a R$ 2.231 por pessoa. Mas não foi só isso que chamou atenção no relatório dos auditores. Sem comida, nem água potável, as crianças e adolescentes que participaram do evento beberam água da torneira, como é possível ver nas fotos.
 
O presidente da Associação, Eduardo Nascimento, diz que prestou contas de tudo.
 
"Todas as notas fiscais tem três orçamentos e preços de mercado. Você acha que uma arquibancada para a quantidade de pessoas que tinha não vale R$ 2 mil reais por dia? Não sei dizer se as crianças não beberam água da torneira? Você consegue responder se algum funcionário da CBN bebeu água da torneira hoje ou ontem? Você consegue responder se alguém foi no banheiro e bebeu água da torneira? Você consegue? Eu não consigo responder. E a prestação de contas tá toda disponível com todas as notas fiscais, com as notas fiscais originais. Com tudo tecnicamente que a Secretaria pediu", disse ele.
 
Quando questionado mais especifiamente sobre os valores de cada item, o presidente da entidade pediu para encerrar a entrevista.
 
A vereadora Soninha Francine, do PPS, foi quem patrocinou o evento. Ela reduziu de R$ 366 mil para R$ 272 mil a verba para este ano, mas decidiu manter o evento.
 
"Eu reduzi inclusive o valor destinado em comparação com o ano passado, até porque eu concluí: 'olha, dá pra fazer por menos'. Quanto ao número de participantes e o custo por participante, isso pode não ter nada de irregular. Porque muitas vezes você organiza um evento e eu já participei isso muitas vezes, dentro e fora do governo, que você prevê que vai ter mil pessoas, duas mil pessoas, e vai um número muito menor do que esse", disse ela.
 
O vereador que destinaria a maior emenda para eventos esportivos é Celso Jatene, do PR, ex-secretário de esportes da gestão Fernando Haddad. Um dos eventos apadrinhados por ele teve um bloqueio de R$ 22 mil por indícios de superfaturamento.
 
Ao saber do Escândalo das Emendas Infladas investigado pela Controladoria, ele solicitou à Casa Civíl o cancelamento da emenda de R$ 818 mil e prometeu direcionar para outras áreas.
 
Ele disse, em nota, que ele aprimorou a fiscalização de eventos esportivos quando comandou a pasta e que escolheu as artes marciais para destinar dinheiro porque acredita nas entidades e na formação proposta por ela.
 
*colaborou Clara Marques