Vereador Paulo Frange (PTB) defende a isenção de R$ 420 milhões em impostos para a construção do "Itaquerão"

18/06/2011 01:00

 

 

O gerente operacional da Odebrecht para as obras do estádio do Corinthians, Frederico Barbosa, afirmou que o trabalho deve estar concluído até dezembro de 2013. A previsão foi feita nesta sexta-feira, 17, durante visita de uma comissão de vereadores da Câmara Municipal de São Paulo (CMSP).

No entanto, para que o local seja palco da abertura da Copa do Mundo de 2014, o presidente do clube, Andrés Sanchez, pediu mais incentivos.

Sanchez disse aos vereadores que o estádio só conseguirá atender às exigências da Federação Internacional de Futebol (Fifa) se o projeto de lei que prevê incentivos fiscais de até R$ 420 milhões ao clube for aprovado até o final deste mês na CMSP.

Os parlamentares presentes manifestaram interesse em aprovar o projeto para que o cronograma seja cumprido.

"Sou favorável ao projeto. Não devemos pensar apenas nos R$ 420 milhões que deixaremos de receber, mas sim nos benefícios que a região da zona leste e a cidade terão", disse o vereador Paulo Frange (PTB).

Para Juscelino Gadelha (sem partido), a CMSP está com uma grande responsabilidade nas mãos. "Temos um papel importante e devemos aprovar este projeto. Já perdemos o centro de imprensa para o Rio de Janeiro e agora não podemos deixar de receber a abertura da Copa", declarou.

O projeto de lei, elaborado pelo Executivo, foi encaminhado à Câmara na última semana e aguarda votação em plenário. Pelas regras da Fifa, o Corinthians e a construtora responsável pela obra, Odebrecht, têm até o dia 11 de julho para dar as garantias financeiras necessárias.

Segundo Andrés Sanchez, a previsão de gastos é de R$ 700 milhões. Para viabilizar esse total, será necessário somar o dinheiro decorrente da isenção fiscal com os R$ 400 milhões do financiamento liberado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

 

Texto: Portal da CMSP