Trabalho dos vereadores é o mais irritante

15/01/2014 11:45

Pesquisa da FGV aponta descontentamento do morador com o poder público, principalmente a Câmara

Matéria publicada originalmente pelo Diário de S.Paulo

ULISSES DE OLIVEIRA E EDUARDO ATHAYDE

Câmara disse que em 2013 aprovou 539 projetos. Em 2012, foram 313Câmara disse que em 2013 aprovou 539 projetos. Em 2012, foram 313
O paulistano está insatisfeito com o poder público municipal. Essa é a conclusão da pesquisa conduzida pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) e a rede social MyFunCity. Inédito na cidade, segundo os organizadores, o estudo será ampliado para outros municípios do país e vai compor o Índice de Bem-Estar Brasil.
 
“Entregamos o relatório ao prefeito Fernando Haddad (PT) ontem (anteontem). A ideia é que, a partir do índice, possamos refletir o grau de bem-estar do cidadão e os poderes público e privado tenham instrumentos para agir”, disse o professor da FGV Wesley Mendes.
 
O estudo foi realizado na cidade entre 10 e 30 de novembro do ano passado e considerou dez variáveis. A fase final foi o questionário, aplicado a 768 pessoas. O pior indicador é a atuação do Poder Legislativo e, na opinião dos moradores, apesar de considerarem o serviço como algo relevante, os vereadores têm o pior desempenho, ou seja, não satisfazem às suas necessidades para uma vida feliz. “A história recente demonstra que passamos por uma crise de representatividade. O paulistano não se identifica com os seus representantes”, comentou Mauro Motoryn, presidente do MyFunCity. Para o auxiliar administrativo Víctor Rapaci, de 19 anos, a culpa pelo mau desempenho dos vereadores é do eleitor. “Política deveria ser matéria na escola. Ninguém acompanha o que fazem lá”, diz.
 
A Câmara Municipal informou que, no ano passado, aprovou 72% projetos a mais na comparação com  2012: 539 contra 313. Ela não diz quantos desses dão nome a ruas. Cada vereador recebe R$ 15,3 mil de salário e tem verba mensal de  R$ 99,7 mil para despesas.
 
Em segundo lugar na insatisfação do paulistano vem transporte e mobilidade, em especial “tempo  no trânsito”.
 
1 - Poder público
 
O paulistano considera as políticas públicas algo muito importante em sua vida, mas que não o faz feliz
 
Para vereador, população desconhece trabalho da Casa
 
Em seu primeiro mandato como vereador, o coronel Alvaro Batista Camilo (PSD) justifica os índices negativos da pesquisa da FGV pelo desconhecimento da população ao trabalho dos parlamentares de São Paulo.
 
“No ano passado aprovamos mais de 500 projetos de lei. Garanto que tem muita coisa boa que foi feita em 2013, mas o que aparece na mídia são os projetos que destoam, que chamam a atenção, como, por exemplo, o de enterro de animais”, avaliou. 
 
Para Camilo, os eleitores tendem a se preocupar mais com o seu bairro e não com a cidade como um todo. Somado a isso, há o estigma negativo contra o político e a falta de divulgação da Câmara e dos seus trabalhos. “Eu, por exemplo, fui coautor do projeto que proíbe os ‘pancadões’. Vai acabar com a bagunça nos espaços públicos”, destacou.
 
Análise
 
Alecir Macedo, da Rede Adote Um Vereador 
 
Câmara é status e trampolim
 
Não é surpresa esse resultado. Até porque tenho certeza de que metade das pessoas entrevistadas não sabe nem sequer a função do vereador. É óbvio que há gente muito boa e séria na Câmara, mas é nítido que o Legislativo municipal virou trampolim para cargos como secretários, deputados e senadores. Portanto, muitos a usam somente como status e para manter seu curral eleitoral. A maioria dos projetos aprovados são para, por exemplo, mudar nome de ruas, praças e honrarias. É possível melhorar a Câmara, mas, para isso, precisamos saber, ao menos, em quem votamos. Em seguida, devemos cobrar.
 
2 - Transporte e mobilidade
 
A maioria dos entrevistados anda de ônibus (52%) e gasta de 31 minutos a 1 hora para ir e voltar do trabalho e/ou faculdade
 
Tempo perdido no trânsito tira o morador da capital do sério
 
A pesquisa da Fundação Getúlio Vargas mostrou que quando o assunto é transporte e mobilidade o tempo preso nos congestionamentos na cidade é a principal reclamação dos paulistanos.
 
De acordo com a pesquisa, 31% dos entrevistados alegaram dispensar duas horas no trajeto de ida e volta do trabalho e/ou faculdade. Em novembro do ano passado, a capital  teve o maior índice de congestionamento da sua história até agora: 300 Km.
 
Em segundo lugar no nível de insatisfação apareceu a qualidade no transporte público. Segundo a SPTrans, em 2013 foram computada 120.058 reclamações. Apesar do número elevado, em 2012 foram registradas mais queixas contra ônibus: 141.200.  
 
Análise
 
Horácio Figueira, especialista em trânsito 
 
É preciso mais carros no rodízio
 
Para diminuir o drama do trânsito paulistano é preciso fazer uma pesquisa para saber o que o dono do carro do rodízio está fazendo quando o seu veículo está impedido legalmente de trafegar . Ele está mesmo deixando o carro em casa ou está usando um segundo veículo? É bom lembrar que a frota em São Paulo mais do que dobrou nos últimos 12 anos.  É muito carro para pouca via. Hoje em dia, até mesmo as classes menos favorecidas financeiramente, muitas vezes, têm dois, três carros na garagem.  É preciso estudar a possibilidade de aumentar para três  ou mais os finais de placa impedidos de circular num mesmo dia. 
 
3 - Segurança
 
As mulheres dão mais importância ao trabalho da polícia e a violência na capital
 
Violência e atuação da polícia são criticadas
 
Segundo o levantamento da FGV, as mulheres, quando comparadas aos homens, tendem a atribuir maior relevância ao trabalho das polícias.
 
No entanto, quando os dois gêneros são avaliados, os entrevistados pelo levantamento mostraram baixa satisfação com o trabalho policial. Também foi apontado  pela pesquisa desempenho não satisfatório com os níveis de violência na cidade. 
 
Apesar de ser uma questão nacional, fora dos limites da capital paulista, o  controle das fronteiras brasileiras também é apontado como um ítem que irrita os paulistanos, de acordo com a pesquisa elaborada pela FGV.
 
Por outro lado, os bombeiros são muito admirados pelos moradores de São Paulo. Para o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Benedito Meira, é fácil saber o motivo de os bombeiros serem tão queridos pela população. 
 
“Os bombeiros lidam diretamente com a vida. São vistos como heróis, capazes de se expor ao risco da morte para salvar a vida de pessoas que nem sabem quem são. Nada mais justo do que eles serem tão admirados pela população”, afirmou o comandante.
 
Análise
 
Benedito Meira, comandante da Polícia Militar
 
PM é injustiçada pelo paulistano  
 
A PM é injustiçada pelo paulistano. Em quase todas as estatísticas de criminalidade São Paulo é o estado menos violento da nação. Por exemplo, em relação às taxas de homicídios perdemos apenas para o Amapá. Outro exemplo: somos o estado com menos índices de furtos e roubos de veículos. Nossos policiais trabalham 180 horas por semana, um recorde entre as profissões.   
 
Há também a questão da mídia. Tudo o que acontece em São Paulo é potencializado pelos telejornais especializados em crimes.
 
4 - Meio ambiente
 
Nível de barulho e qualidade do ar dão os aspectos mais criticados
 
Qualidade do ar é a principal vilã do meio ambiente em SP
 
Problema antigo paulistano, a poluição continua sendo a principal insatisfação do morador quando o tema é meio ambiente. A insatisfação com a qualidade do ar é o assunto líder em uma lista com 11 indicadores ambientais apresentados pelo levantamento realizado pela FGV.
 
Para tentar diminuir a emissão na atmosfera de  gases nocivos à saude, em 2008 a Prefeitura começou a implantar a inspeção veicular ambiental, que mede os níveis de poluentes emitidos pelos automóveis.     
 
Na segunda colocação na pesquisa da FGV aparece a irritação com o nível de barulho da cidade. O tema é tão caro aos paulistanos  que, no início de janeiro, o prefeito Fernando Haddad sancionou uma lei que proíbe o uso de aparelhos sonoros sem fones de ouvidos nos ônibus da cidade.
 
Em terceiro lugar na lista de insatisfação com o meio ambiente está a limpeza da cidade, aponta a pesquisa.
 
Análise
 
Lucas Phelippe dos Santos, diretor da Secretaria do Verde
 
Situação aqui já foi bem pior
 
Diversas pesquisas de credibilidade mostram que a qualidade do ar melhorou em São Paulo nos últimos anos. Mas é preciso admitir que ainda falta muito para que a poluição deixe de ser um problema na cidade.
 
A inspeção veicular, implantada em 2009 para os veículos movidos à gasolina e a álcool, foi uma medida que trouxe benefícios inegáveis à qualidade do ar na capital, além de ter diminuído os ruídos dos automóveis. Porém, seria extremamente importante que cidades da região metropolitana também adotassem a inspeção. Os níveis de poluição não são estatísticos e movem-se por perímetro extenso.  Mas é uma decisão que não cabe à Prefeitura.
 
RANKING DE INSATISFAÇÃO DO PAULISTANO
 
1 Poder Público
2 Transporte e mobilidade
3 Segurança
4 Meio ambiente
5 Educação
6 Vida profissional e financeira
7 Saúde
8 Consumo
9 Redes de relacionamento
10 Família
 
MAIS
 
Cidadão reclama de pouco tempo com família
O indicador família foi considerado o de maior satisfação por parte dos paulistanos. Ao mesmo tempo, os entrevistados alegam precisar de mais tempo disponível para os seus e maior frequência de contatos com os familiares mais distantes.
 
Apesar de reclamações, índice tem melhorado
Apesar de cobrar melhorias, a nota geral da cidade está em 3,69, numa escala de 1 a 5. A média atual é superior ao nível de satisfação dos últimos cinco anos, que era de 3,47.