PSD e PSB anunciam formação de bloco na Câmara Municipal

09/11/2011 05:05

RenattodSousa
RenattodSousa


O PSD e o PSB anunciaram oficialmente nesta terça-feira (8) a formação de um bloco na Câmara de São Paulo. Contando com 13 vereadores no total, 10 do PSD e três do PSB, o grupo ultrapassa o PT, que tem 11 parlamentares em suas fileiras, como maior bancada da Casa. O novo bloco será liderado pelo vereador Eliseu Gabriel (PSB).

“A entrada do PSD no cenário nacional causou uma mudança significativa. Não é um partido que tem vocação para ser satélite. Entendemos que o PSD traz muita gente disposta a construir um partido e um país melhor. Queremos que a parceria aqui dê certo e quem sabe chegue até o Congresso Nacional”, disse Eliseu.

De acordo com o comunicado oficial liberado pelas legendas, a unidade de ação que terão a partir de agora parte do reconhecimento de uma convergência conceitual entre os partidos. “Esta aliança não anula as diferenças de visões e ênfases dos dois partidos, mas busca a complementariedade e o equilíbrio entre as diversas visões, segundo um método de debate e discussão comum e focado na democracia interna”, diz.

O vereador Marco Aurélio Cunha, líder do PSD na Câmara, disse que a princípio nenhum outro partido deve ser incorporado ao bloco, mas não fechou as portas para ninguém. “Se alguém gostar de nossa ideologia e quiser entrar dessa forma, vale a pena. Mas se for apenas para fazer número, não queremos”.

“Não é fácil estar em bloco, mas nossa identificação nos permitiu formar um grupo coeso, unido, que seguirá atuando na linha de atender as necessidades sinalizadas pela população”, completou Cunha, que deixará de liderar a bancada, tratando agora apenas de questões internas de seu partido.

Leia abaixo a íntegra do comunicado publicado pelo bloco:

O PSD e o PSB passarão a constituir a partir de hoje um Bloco na Câmara Municipal de São Paulo. Esta unidade de ação é, acima de tudo, o reconhecimento de uma convergência conceitual dos dois partidos que imaginamos chegar ao Congresso Nacional.

Esta aliança não anula as diferenças de visões e ênfases dos dois partidos – um partido novo e um partido com antigas raízes na vida política nacional – mas busca a complementariedade e o equilíbrio entre as diversidades de visão, segundo um método de debate e discussão comum e focado na democracia interna.

Na nossa avaliação os pontos programáticos e a prática efetiva dos dois partidos têm muitos elementos em comum. Em primeiro lugar o compromisso com a modernidade da administração – como tem sido demonstrado pelo governo de Pernambuco e pela Prefeitura de São Paulo. Mas é uma modernidade administrativa em seu sentido mais pleno e inerente às funções do Estado, voltada a redução de custos e velocidade de resposta, mas sem jamais perder o foco na qualidade e universalidade dos serviços que o Estado deve prestar aos cidadãos, bem como a necessária transparência e controle social.

É este papel central do cidadão, como foco do processo político, o elemento essencial através do qual esta unidade de ação de um bloco progressista e democrático se constrói. Ponto de união do novo partido, o PSD, que surge tendo esta preocupação principal, como do maduro e enraizado partido, o PSB, que dedica mais de meio século da sua história a defender o socialismo democrático e o Estado do Bem Estar Social tão caros a Miguel Arraes.

Ao mesmo tempo em que estão fortemente ancorados na defesa da plena democracia e nos direitos fundamentais da cidadania, ambos os partidos compartilham a visão de que é necessário criar novas respostas, incorporando as novas realidades e tecnologias que surgem e ouvindo a população não como “massa” a ser doutrinada ideologicamente, mas como assembleia de cidadãos a qual o poder público deve prestar contas e com o qual deve dividir suas tarefas de planejamento e gestão na maior extensão possível.

Trata-se de buscar respostas efetivas, concretas e viáveis aos anseios da população, rejeitando as saídas simples de mera repetição de dogmas ideológicos ou receitas de “marqueteiros” – ambas faces de uma mesma moeda do processo de esvaziamento do debate político.

Por fim, informamos que, de comum acordo, o vereador Eliseu Gabriel será o líder o Bloco agora constituído.

São Paulo, 8 de novembro de 2011
Vereador Marco Aurélio Cunha – Líder do PSD
Vereador Eliseu Gabriel – Líder do PSB

Fonte: Portal da CMSP