PPS coloca sob suspeita licitações milionárias da Câmara

06/09/2013 08:17

Do Blog de Diego Zanchetta

O vereador Ricardo Young (PPS) e o blog mantido pela liderança de seu partido colocaram ontem sob suspeita duas licitações milionárias abertas pela Mesa Diretora da Câmara Municipal, presidida por José Américo (PT). Além de questionar a necessidade da instalação de vidros blindados na fachada do Palácio Anchieta, via contratação emergencial por R$ 1,26 milhão, “sem provas de que o prédio foi atingido por tiros”, Young foi ao plenário fazer perguntas sobre a contração de nova empresa fornecedora de vale-alimentação, por R$ 18,6 milhões, cujo proprietário, segundo o PPS, é ligado ao PT. Américo acusou Young de ser “leviano” e foi apoiado por mais de 20 parlamentares durante três horas de discussões.

“Claramente foi feita uma licitação onde só o preço importava, e não a técnica, como manda a lei 8666/97. Trocamos um serviço que era bom por um serviço ruim”, disparou Young no início da sessão de ontem. Um pouco antes, o blog da liderança do PPS publicou matéria na qual afirma que a Planivest, empresa contratada para fornecer o vale-refeição do Legislativo a partir de junho, pertence ao empresário Paulo Lofreta, de Diadema.

O partido diz que Lofreta é ligado ao atual secretário municipal de Saúde, José de Filippi, e foi doador da campanha petista nas eleições municipais de 2012. O blog do PPS, produzido pelo jornalista e assessor parlamentar Maurício Huertas, ainda cita o fato de o empresário ser integrante do Conselho da Cidade, montado no início do ano pelo prefeito Fernando Haddad (PT), como agravante para a vitória na licitação.

Young também questionou no plenário os motivos que levaram a Mesa Diretora a contratar, sem licitação, a empresa CRB Comércio e Indústria para colocar vidros blindados na fachada do Palácio Anchieta. “O senhor (José Américo) abriu concorrência sem nem saber ao certo se a Câmara realmente sofreu tiros”, disse Young no plenário.

Logo em seguida, o presidente da Câmara apareceu no plenário, pediu a palavra e chamou o vereador do PPS de leviano. A tensão aumentou com a chegada de aliados de Américo que não estavam na sessão e que também passaram a pedir a palavra. “Hoje em dia qualquer mau caráter abre um blog e escreve o que quer”, criticou Coronel Telhada (PSDB). “Essas decisões (sobre contratos e licitações) são discutidas lá na Mesa Diretora, e não no plenário. Essas questões internas têm um foro adequado para serem feitas”, argumentou Claudinho (PSDB).

Américo negou qualquer irregularidade na licitação do vale-refeição e argumentou que a instalação de vidros blindados ocorreu após orientação da chefia da segurança da Casa. “Eu nem queria que essa empresa (Planinvest) tivesse ganhado a licitação”, respondeu Américo. Young exigiu retratação, mas acabou chamado de leviano de novo pelo presidente. A situação ficou tensa e só Gilberto Natalini (PV) apoiou o vereador do PPS. “As coisas precisam ser publicas no parlamento, a população está nos cobrando por isso”, argumentou Natalini.

À noite, a presidência da Câmara também divulgou nota de repúdio às acusações. “O blog do PPS faz considerações levianas e infundadas a respeito de vários assuntos da Câmara Municipal de São Paulo, entre elas a licitação do vale-refeição dos funcionários. Fica claro o objetivo, único e exclusivo, de abrir uma mera disputa política, sem fundamentação técnica ou jurídica sobre os motivos de tais críticas”, diz a nota.

Palácio Anchieta, no centro: contrato para blindar os vidros, feito sem licitação, custou R$ 1,26 milhão