CPI do Transporte apresenta relatório final

13/02/2014 15:58

Para relatora, licitações são prioridade: presidente quer continuar investigação

Entre as recomendações apresentadas no encerramento da CPI do Transporte Coletivo nesta quinta-feira (13/2), a relatora Edir Salles (PSD) destacou a necessidade de mudanças em contratações atualmente feitas sem licitação. É o caso das empresas responsáveis pela bilhetagem eletrônica e equipamentos de monitoramento instalado nos ônibus.

Luiz França/CMSP
CPPI_DOS_TRANSPORTE-13-022014-FRANCA-06500-72_ABRE

Para Edir, essas contratações podem estar onerando a planilha de custos do transporte municipal. “Existem contratos vencidos há mais de dez anos, e é preciso estudo e uma fiscalização mais ativa”, completou a vereadora.

Já o presidente da CPI, vereador Paulo Fiorilo (PT), enfatiza que a CPI conseguiu apresentar a mudança da metodologia da planilha. “A planilha utilizada tem 30 anos, é obsoleta e provavelmente equivocada”, observou. “Essa metodologia não conseguia apurar se valores estavam corretos ou próximos da realidade”, completou.

“O problema não é a tarifa, é o mais de um bilhão que a Prefeitura coloca para manter a tarifa congelada”, explicou o vereador. “A cidade de São Paulo precisa gastar melhor o dinheiro”, disse, exemplificando com os aditivos aos contratos. Entre as indicações do relatório aprovado nesta quinta-feira, está o aprimoramento do sistema de contratação de serviços, de forma a evitar os aditivos. “Estamos falando de R$ 800 milhões”, destacou.

CPI do Metrô 

Fiorilo ainda adiantou que irá propor a instalação de uma nova CPI para investigar o dinheiro gasto pela Prefeitura no Metrô. “R$ 1 bilhão foi para o sistema metroviário, temos de saber para onde foi”, disse, citando a quantia gasta na gestão do prefeito Gilberto Kassab.

Confira a íntegra do relatório:

 

Fonte: Portal da CMSP