Câmara Municipal de SP tem bate-boca em dia de debate sobre Orçamento para 2018

07/12/2017 06:52

Matéria publicada originalmente pelo Portal G1

Vereadores Police Neto (PSD) e Cláudio Fonseca (PPS) se envolveram em disputa sobre quem iria discursar primeiro. Projeto de lei que trata do Orçamento foi aprovado em primeira votação.

Por Vivian Reis e Philipe Guedes, G1 SP e SP2, São Paulo
06/12/2017 19h34

Por Vivian Reis e Philipe Guedes, G1 SP e SP2, São Paulo

06/12/2017 19h34

Vereadores discutiram na Câmara Municipal de São Paulo, no Centro, na tarde desta quarta-feira (6), dia em que estava prevista a primeira votação do Orçamento da cidade para 2018. O projeto passará novamente pelo plenário da Casa na próxima semana.

A sessão desta quarta foi tumultuada desde o início. Grupos contra e a favor pressionaram vereadores para discutir o projeto Escola Sem Partido, que não estava na pauta do dia. O primeiro bate-boca da tarde foi entre vereadores e o público.

O presidente da Casa, o vereador Milton Leite (DEM), tentou manter a ordem, informando que o foco dos debates deveria ser a primeira votação do Orçamento do ano que vem da capital.

Continua depois da publicidade


Quando a discussão do orçamento começou, os vereadores Police Neto (PSD) e Cláudio Fonseca (PPS) se envolveram em uma disputa sobre quem iria discursar primeiro.

Após a confusão, o Presidência da Câmara disse não vai se manifestar sobre o ocorrido. Police Neto disse que a confusão começou porque o presidente da Casa misturou a lista de inscritos das sessões extraordinárias com a da sessão ordinária. Cláudio Fonseca disse que só se defendeu da acusação de que a lista era fraudulenta.

Orçamento 2018

O Projeto de Lei nº 686/2017, enviado pelo prefeito João Doria (PSDB) e que discute o Orçamento de 2018, foi aprovado em primeira votação nesta quarta-feira com um orçamento girando em torno de R$ 56,2 bilhões, após passar por diversas tramitações na Casa. O vereador Ricardo Nunes (PMDB) foi nomeado como relator na Comissão de Finanças e Orçamento.

Após a aprovação, os vereadores têm até terça-feira (12) para enviar suas emendas, avaliando o que não foi contemplado, baseado no que foi discutido em audiências públicas. As principais demandas coletadas durante as audiências disseram respeito a construção de unidades habitacionais, ampliação da oferta de creches e pavimentação e manutenção de vias, entre outras.

A previsão é de que na quarta-feira (13), o projeto vá ao plenário pela segunda vez e que o orçamento para 2018 seja definido.