Câmara de SP paga salário de R$ 15 mil a manobrista e R$ 10 mil a engraxate

21/11/2016 21:48

Matéria publicada originalmente pelo Portal G1/SP

Copeiras, médicos e procuradores também ganham supersalários. Lavador de carro, serviço já extinto, ganhou R$ 11 mil em outubro.

Por Walace Lara, TV Globo
 

 

Funcionários dos mais variados serviços da Câmara de São Paulo recebem salários acima do que é considerado normal no mercado de trabalho. Em outubro, o salário bruto dos 24 manobristas foi de R$ 245 mil. Um dos profissionais recebeu no mesmo mês mais de R$ 15 mil de salário bruto.

Dois procuradores legislativos recebem, todo mês, R$ 62 mil cada um - R$ 40 mil acima do teto para os funcionários municipais, que é o salário do prefeito.

O SPTV analisou toda a folha de pagamento dos mais de dois mil funcionários da Câmara Municipal de São Paulo no mês de outubro. As informações estão no Portal da Transparência e foram confirmadas pela Câmara.

Procuradores - R$ 62 mil
Médicos - R$ 40 mil
Manobristas - R$ 15 mil
Engraxates - R$ 10,4 mil
Copeiras - R$ 9 mil a 13 reais
Ascensoristas - R$ 8,7 a 11 mil

No Portal da Transparência há ainda um lavador de carro que ganhou em outubro R$ 11 reais de salário bruto – o serviço nem existe mais. A Câmara confirma que foi desativado, e que os funcionários foram realocados em outras funções.

“Essas funções muito básicas elas não existem mais, mas eu não posso demiti-los porque eles são estáveis pela constituição e aí acaba gerando essas distorções, mas que elas são pontuais”, afirma Paulo Baccarin, secretário geral da Câmara.

Um engraxate da Câmara ganha R$ 10,4 mil por mês. É um emprego tão bem remunerado quanto o dos ascensoristas do elevador privativo dos parlamentares. No mês de outubro o salário bruto dos 11 ascensoristas chegou a R$ 105 mil. Os valores variam de R$ 8,7 a 11 mil.

 

Há também sete copeiras que no mês passado receberam salários que variaram de R$ 9 mil a 13 reais. O serviço médico da Câmara também paga supersalários. O médico chefe ganha R$ 40 mil. Só em outubro os salários brutos dos médicos, enfermeiros e dentistas que atendem os vereadores, os funcionários e os dependentes, passou de R$ 821 mil.

Conseguir verba para cultura e esportes, entretanto, é dificílimo. Em uma audiência pública acompanhada pela reportagem do SPTV, trabalhadores protestavam contra os cortes feitos nas áreas.

Para Manoel Galdino, diretor executivo da Transparência Brasil, falta controle e fiscalização do dinheiro público. “Não tem solução mágica, a gente tem que dedicar tempo, tem que dedicar esforço e energia politicamente para tentar contornar esse problema”, defende.

A Câmara Municipal de São Paulo disse que existem dois motivos para salários acima do teto: podem ser de funcionários que trabalham há muitos anos e acumularam benefícios, ou que exercem ou exerceram funções gratificadas - o que também resulta em um contra-cheque mais gordo.