Câmara autoriza feriado na abertura da Copa e cerveja no Itaquerão

13/05/2014 20:45

Matéria publicada originalmente pelo Blog de Diego Zanchetta

Com oposição da bancada evangélica e de vereadores ligados ao comércio, a Câmara Municipal de São Paulo autorizou a Prefeitura a decretar feriado na abertura da Copa do Mundo, no dia 12 de junho, Dia dos Namorados e data do jogo entre Brasil e Croácia. O pedido havia sido feito, no dia 24, pelo prefeito Fernando Haddad (PT). A votação foi de 30 votos favoráveis e 15 contrários.

Os parlamentares paulistanos também permitiram a venda de bebida alcoólica dentro da Arena Corinthians durante as seis partidas do Mundial – o comércio de cervejas dentro dos estádios estava vetado na capital paulista, por motivos de segurança, desde 1992. A proposta precisa agora passar por segunda votação antes de ir à sanção do prefeito.

Mas houve protestos de vereadores que querem mudar o texto original na nova votação. Para o vereador e empresário Andrea Matarazzo (PSDB), muitos setores do comércio vão ser prejudicados com a paralisação em pleno Dia dos Namorados. “Queremos uma emenda que exclua do feriado restaurantes e o comércio de lojas, por exemplo. O feriado deve ser dentro das empresas”, argumentou Matarazzo.

Líder da Frente Parlamentar Cristã, o vereador Eduardo Tuma (PSDB) é contra a liberação da venda de cervejas durante a Copa, como exige a Fifa. Dentro do Itaquerão serão vendidas latinhas de Budweiser, uma das patrocinadoras do evento. “Nós da bancada evangélica somos contra essa liberação. É uma exceção descabida. A Frente Cristã aqui na Câmara é contra!”, disparou Tuma. “Eu sou contrário ao consumo de drogas legais e ilegais. Sou a favor da família brasileira”, bradou o tucano.

Os pastores Jean Madeira e David Soares, ambos do PSD de Gilberto Kassab, também foram contra a autorização da venda de bebidas no Itaquerão. “Eu tenho orgulho de dizer que nunca consumi álcool na minha vida. Liberar isso agora é um retrocesso na cidade e algo muito nocivo à população”, emendou Madeira. Evangélico da Congregação Cristã no Brasil, o coronel Telhada (PSDB) também fez oposição à liberação da cerveja.

Colecionador de cachaças e dono da maior coleção de pingas do Brasil, o vereador Goulart (PSD) defendeu a liberação da cerveja. “São só durante os jogos da Copa, depois as regras voltam normalmente”, afirmou o vereador. “Voto a favor e vou abrir uma para comemorar daqui a pouco”, afirmou Laércio Benko (PHS).

OUTRO LADO 

Segundo Haddad, decretar o feriado na abertura da Copa é uma medida “necessária para atender a exigências técnicas de fluxo, circulação e segurança, e para evitar a concentração de pessoas que retornam do trabalho com aquelas que se dirigem ou voltam dos eventos.”. O prefeito argumenta que “nessas condições, é fundamental garantir a redução expressiva do trânsito, impedindo um eventual colapso do sistema viário, descongestionando o transporte público rodoviário e a rede metroferroviária.”

Sobre a liberação de bebidas dentro do Itaquerão, Haddad argumenta cumprir um acordo entre o governo federal e a Fifa, de 2012, que condicionava a realização da Copa na cidade à venda de cerveja dentro dos estádios, durante os jogos do evento.

PONTO FACULTATIVO

Na votação de hoje, os vereadores fizeram uma mudança no artigo que autoriza a Prefeitura a também declarar feriado, caso houver necessidade, nos dias das outras cinco partidas marcadas na cidade. Os vereadores incluíram uma emenda do PSDB que autoriza o prefeito a declarar nesses dias somente ponto facultativo, em caso de necessidade.

Após o jogo da abertura no dia 12, jogam na capital paulista Uruguai x Inglaterra (dia 19 de junho), Holanda x Chile (23 de junho), e Coreia do Sul x Bélgica (26 de junho). Pelas oitavas de final, será sede da partida entre o vencedor do grupo F e o segundo colocado do grupo E, no dia 1° de julho.

A última disputa da Copa no estádio de São Paulo ocorrerá nas semifinais, no dia 8 de julho, entre o vencedor do jogo 59 e o vencedor do jogo 60.

Vereadores durante votação do projeto que autorizou feriado na abertura da Copa, por volta das 18h33; bebida também foi liberada dentro do Itaquerão