Aumento do IPTU fez o cidadão descobrir que temos vereadores

10/12/2013 19:29

Por Milton Jung

 

Texto publicado originalmente no Site SP in foco

 

Foi a Câmara Municipal de São Paulo aprovar a proposta de reajuste no IPTU para os paulistanos descobrirem que temos vereadores nos representando. Imediatamente após a votação, tínhamos à disposição a lista dos que foram a favor e contra o aumento proposto pelo prefeito Fernando Haddad (PT). Não demorou muito, as redes sociais passaram a receber, também, outra lista na qual se verificava a contradição de muitos dos vereadores que estavam no cargo na legislatura anterior. A maioria dos que votaram contra o aumento agora havia apoiado o reajuste apresentado pelo então prefeito Gilberto Kassab (PSD). E vice-versa: dentre aqueles que votaram a favor da ideia de Haddad muitos tinham sido contra na gestão anterior. Ou seja, votaram por conveniência partidária, sem levar em consideração o equilíbrio financeiro do Orçamento Público e as condições econômicas do cidadão paulistano.

 

Em janeiro, quando os carnês começarem a chegar na sua casa, talvez se entenda com mais clareza o peso da decisão da Câmara Municipal de São Paulo. A persistirem as contas da prefeitura, muitos moradores da periferia da Capital perceberão que o projeto de lei segurou os valores cobrados pela prefeitura e, em alguns casos, até mesmo diminuiu. Outros, porém, sentirão no bolso o alto custo da medida aprovada pelos vereadores. Independentemente da sensação provocada com o novo IPTU em mãos, minha esperança é que os paulistanos compreendam a importância e o impacto do papel dos vereadores. Assim como eles podem aumentar nossos tributos, também aprovam leis que ajudam a melhorar a qualidade de vida na cidade, sem contar que têm instrumentos para fiscalizar a administração municipal e identificar como nosso dinheiro está sendo gasto.

 

É com esta intenção que se criou, em São Paulo, o Adote um Vereador: incentivar o cidadão a fiscalizar, monitorar e controlar o trabalho de um parlamentar, com o compromisso de que as informações levantadas sejam publicadas nas redes sociais (blog, Tumblr, Twitter, Facebook, Google+ e o escambau) para que este conhecimento seja compartilhado com a sociedade, construindo uma rede de cidadania. E se o conceito é de rede, deve ficar clara a intenção de que não existe um comando central nem mesmo uma visão política unitária. Cada voluntário tem o direito de expor seu pensamento de maneira livre sobre os mais diferentes temas relacionados a vida política. Cada membro é responsável por seu próprio trabalho e opinião.

 

A ideia surgiu logo após a eleição municipal de 2008 a partir de duas constatações. A primeira, que a maior parte do eleitor esquece o nome de seu candidato seis meses após a eleição. A segunda, que dois terços do eleitorado não consegue eleger seu representante na Câmara Municipal de São Paulo. Estas duas situações fazem com que o cidadão perca o interesse pela ação legislativa e entregue nas mãos dos vereadores o destino da cidade. Um erro que se repete com relação às assembleias legislativas, às câmaras Distrital e dos Deputados e ao Senado.

 

Com a rede Adote um Vereador conseguimos vitórias importantes a começar pelo engajamento dos cidadãos na política da sua cidade. Também abrimos canais de comunicação com a Câmara, membros são consultados sobre decisões a serem tomadas na Casa e as informações do Legislativo estão muito mais acessíveis do que quando iniciamos este trabalho. Dois projetos de lei sugeridos por integrantes da rede foram adotados por vereadores e transformados em leis que já estão em vigor na Capital. Porém, é preciso ampliar essa rede e expandirmos o número de vereadores fiscalizados, unindo forças com os demais grupos que acreditam no papel que o cidadão tem no desenvolvimento de sua cidade.

 

Controle os políticos, antes que eles controlem você.