Após negociação, Câmara marca audiência sobre transporte

15/08/2013 07:24

Luiz França / CMSP
MANIFESTACAO-13-08-2013_FRANCA-04232-72-ABRE-

Na noite dessa quarta (14/8), após negociar com um grupo de manifestantes, o presidente da Câmara, vereador José Américo (PT), concordou em realizar uma audiência pública no dia 22/8, às 18h, para debater o transporte público na cidade de São Paulo.

MANIFESTACAO-14-08-2013-FRANCA-04284-72-ABRE-Por volta das 19 horas, centenas de pessoas se concentraram em frente ao Palácio Anchieta para protestar. Entre as reivindicações dos manifestantes estavam a adoção da tarifa zero no transporte municipal, a estatização do sistema e a abertura dos documentos em posse da CPI do Transporte Público.

Os manifestantes formaram uma comissão e foram recebidos pelos parlamentares da Casa, que após ouvir as reivindicações concordaram em realizar uma audiência pública para debater o tema com os representantes das entidades presentes ao protesto, das secretarias municipal e estadual de Transportes e da CPI dos Transportes. Ficou acordado que durante o evento todas as organizações presentes terão direito a expor suas reivindicações e argumentos.

 Também foi garantido ao grupo que qualquer entidade poderá ter acesso aos documentos em posse da CPI do Transporte Público. "A minha posição como presidente da Câmara é debater o assunto", afirmou José Américo a jornalistas. "Em primeiro lugar, ouvir a pauta deles [manifestantes] e também o que tem a dizer o Executivo. Por fim, vamos pedir para a CPI o relato das atividades deles até agora."

No plenário

Enquanto a presidência recebia os líderes da manifestação, um grupo de cerca de 30 manifestantes foram recebidos no plenário pelos vereadores Ricardo Young (PV) e Laércio Benko (PHS).

“O passe livre estudantil tramita em várias câmaras desse país. São Paulo não vai ficar atrás”, ressaltou Arielli Moreira, estudante que representa um dos vários grupos presentes à manifestação.

 Para Young, a discussão da tarifa zero no transporte é bastante complexa, já que o dinheiro necessariamente tem que sair de algum lugar para financiá-lo. “Uma opção é a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico), taxa a ser paga pelos condutores de automóveis e seria canalizada para a melhoria desse transporte”, disse.

Benko disse que é 100% favorável ao passe livre. ”Questões como o passe livre devem ser discutidas no final do ano, quando será votado o orçamento para 2014”, disse.

Fonte: Portal da CMSP