Aliado será relator de denúncia contra Aurélio Miguel na Câmara

27/02/2013 07:02

 O vereador Milton Leite (DEM) vai relatar o processo contra o seu aliado, Aurélio Miguel (PR), na Corregedoria da Câmara de São Paulo.

Presidente diz que Câmara não pode investigar Aurélio Miguel
Justiça de SP quebra sigilos bancário e fiscal de Aurélio Miguel

Após virar vereador de São Paulo, Aurélio Miguel multiplicou bens

DEM e PR formam um bloco, que indicou Leite à Corregedoria. Campeão olímpico de judô em 1988, Miguel é acusado de corrupção e improbidade pela Promotoria.

Seis vereadores vão avaliar o pedido de investigação feito ontem pelo corregedor-geral Rubens Calvo (PMDB).

Leite terá de emitir relatório que pode pedir o arquivamento do pedido, a abertura de processo para definir punição a Miguel ou a paralisação do processo (sobrestamento) até que a Justiça decida sobre as acusações.

  Luiz Carlos Murauskas - 06.jun.12/Folhapress  
Vereador Aurélio Miguel, que teve os sigilos bancário e fiscal quebrados pela Justiça de São Paulo
Vereador Aurélio Miguel, que teve os sigilos bancário e fiscal quebrados pela Justiça de São Paulo

A expectativa é que Leite tente brecar a investigação. Assim, se a ação na Justiça demorar quatro anos, a investigação só será retomada na próxima legislatura --isso caso Miguel seja reeleito. Até hoje, nenhuma apuração da Corregedoria, criada em 2003, resultou em punição.

As denúncias contra Aurélio tiveram início em junho do ano passado, quando a Folha revelou que uma ex-executiva de empresa que administra shoppings acusava Miguel de receber propina para livrar o grupo de denúncias.

O patrimônio de Miguel foi de R$ 1,4 milhão (valores corrigidos) declarados em 2004 --quando se elegeu pela primeira vez-- para R$ 25 milhões só em imóveis em 2012.

Miguel nega ter recebido propina, diz ter como justificar seu patrimônio e afirma que é vítima de perseguição por sua atuação na Câmara. 

Matéria publicada no jornal Folha de S.Paulo